15 de jul de 2017

A REFORMA TRABALHISTA NO ESTADO DO PANTANAL...



Dos 50 senadores que votaram a favor da REFORMA TRABALHISTA, aprovada na noite de terça-feira (11/07) em plenário, 37 são declarados SENADORES EMPRESÁRIOS, devido à relação formal ou informal com a força de trabalho no meio rural e por terem participação societária em corporações, ações ou possuírem alguma empresa ou fazenda em seu nome. Os dados constam de levantamento exclusivo do CONGRESSO EM FOCO junto aos registros de candidatura de cada um deles junto à Justiça Eleitoral, referentes às duas eleições passadas (2010 e 2014). O total é equivalente a 74% dos senadores que votaram favoravelmente à reforma trabalhista patrocinada pelo governo MICHEL TEMER, denunciado por corrupção passiva ao Supremo Tribunal Federal (STF).
Duas das mais numerosas bancadas do Senado, PSDB e PMDB são os partidos com mais senadores empresários ou acionistas de empresas ou corporações congêneres. São 9 (nove) os do PMDB no grupo de parlamentares-empresários, e são 7 (sete) os do PSDB nessa situação.
De 13 (treze) senadores favoráveis à reforma trabalhista e que declararam ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não possuírem bens que os classificam como empresários ou detentores de ações, propriedades ou bens correlatos que confirmem o contrário, um deles foi eleito por Mato Grosso do Sul: WALDEMIR MOKA, (PMDB).
As alegações dos senadores favoráveis à reforma trabalhista -  Projeto de Lei 38/2017 – são de que as flexibilizações trabalhistas são necessárias e urgentes em tempos de crise de altas taxas de desemprego, uma vez que geraria mais postos de trabalho, reduziria a informalidade e desafogaria a Justiça do Trabalho. Em contrapartida, para a oposição, tais argumentos camuflam o fato de que se trata de uma legislação feita sob encomenda para aumentar juros e facilitar a vida dos empresários.

Em nome de seus eleitores de MATO GROSSO DO SUL, foram 3 (três) os SENADORES-EMPRESÁRIOS que votaram a favor da reforma: PEDRO CHAVES (PSC), SIMONE TEBET (PMDB) e WALDEMIR MOKA (PMDB).
Postar um comentário